• Kuarazy

Uma lista de 65 filmes para entender o Brasil disponíveis no YouTube

Por Ronaldo Pagotto - Fonte:https://revistaforum.com.br

Sempre é tempo de estudar nossa história, mas nesse período de quarentena/isolamento, esse estudo é potencializado. Provocado para organizar uma lista de 10 filmes para entender o Brasil, a nossa proposta acabou indo mais longe. Elencamos 65 filmes disponíveis a partir de um clique.

É importante observar que vários temas importantes da nossa história e realidade tem pouco ou quase nada disponível (produzido) no nosso cinema, justificativa para que muitos temas importantes tenham ficado de fora. E também podem ter escapado por limites nossos mesmo.

Os filmes são ficcionais, documentários e curtas a disposição nos links (checados). Muita coisa seria adicionada, mas não foram encontrados a disposição. Alguns são clássicos e outros absolutamente esquecidos.

Boa quarentena, bons estudos.


1. O povo brasileiro (baseado no livro)

O antropólogo Darcy Ribeiro (1913-1997) foi um dos maiores intelectuais brasileiros do século XX. Baseado na obra central de Darcy, ‘O povo brasileiro’, em que o autor responde à questão ‘Quem são os brasileiros?’, investigando a formação do nosso povo. ‘O povo brasileiro’ é uma recriação da narrativa de Darcy Ribeiro e discute a formação dos brasileiros, sua origem mestiça e a singularidade do sincretismo cultural que dela resultou. Com imagens captadas em todo o Brasil, material de arquivo raro e depoimentos.


Parte 1: https://www.youtube.com/watch?v=CjcBv5ZWyPU


Parte 2: https://www.youtube.com/watch?v=CZd6ZMVAMyU


2. O Descobrimento do Brasil (1936), de Humberto MauroPara conhecer o início da história do Brasil, nada melhor do que começar por um dos primeiros grandes cineastas brasileiros. O mineiro Humberto Mauro, considerado o inventor do videoclipe, com A Velha a Fiar (1964), contou o descobrimento com direito a trilha sonora do maestro Heitor Villa-Lobos. Adaptando a carta de Pero Vaz de Caminha e inspirado pelo quadro de Victor Meirelles, o filme representou o Brasil no Festival de Veneza.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=qfajT-Adb4g


3. Yndio do Brasil, de Sylvio Back (1995)

Colagem de dezenas de filmes nacionais e estrangeiros – de ficção, cinejornais e documentários – revelando como o cinema vê e ouve o índio brasileiro desde quando foi filmado pela primeira vez em 1912. São imagens surpreendentes, emolduradas por músicas temáticas e poemas, que transportam o espectador a um universo idílico e preconceituoso, religioso e militarizado, cruel e mágico dos índios.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=owFYba_OCI4


4. A Missão, direção de Roland Joffé (1986)

No final do século XVIII, Rodrigo Mendoza é um mercador de escravos espanhol[4] que faz da violência seu modo de vida, mata o próprio irmão na disputa pela mulher que ama. Porém, o remorso leva-o a juntar-se aos jesuítas, nas florestas brasileiras. Lá, ele fará de tudo para defender os índios que antes escravizara.

→ Só encontrei dublado.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=52CBf-3dvNA

5. Brincando nos Campos do Senhor, dir. Hector Babenco.

Um casal de missionários e seu filho pequeno embrenham-se na selva amazônica brasileira para catequisar índios ainda arredios à noção de Deus. Martin Quarrier (Aidan Quinn) é sociólogo e termina sendo motivado pelas experiências de outro casal, os Huben. As intenções religiosas e a harmonia entre brancos e índios no local ficam instáveis devido à presença de Lewis Moon (Tom Berenger), um mercenário descendente dos índios americanos.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=rRrQ51eAJko

6. Caramuru: A Invenção Do Brasil – Dir. Guel Arraes

Portugal, século 16. Após ser enganado pela sedutora Isabelle, o jovem Diogo é deportado para o Brasil, mas sua caravela naufraga. Por milagre, ele é salvo pelo cacique Itaparica. Em terras brasileiras, ele passa a ser chamado de Caramuru e vive um harmônico triângulo amoroso com as duas filhas do cacique, Moema e Paraguaçu.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=nOEuBAdzsKk

7. Desmundo. Dir. Alain Fresnot

O filme é ambientado em 1570, época em que os portugueses enviavam órfãs ao Brasil para que casassem com os colonizadores. A tentativa era minimizar o nascimento dos filhos com as índias e que os portugueses tivessem casamentos brancos e cristãos. Essas órfãs viviam em conventos e muitas delas desejavam ser religiosas. Oribela, uma dessas jovens, é obrigada a casar com Francisco de Albuquerque.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=2iPL5Cu3aVY

8. O Guarani, direção de Norma Bengell (1996)

O Guarani é uma das muitas versões cinematográficas do romance homônimo de José de Alencar, lançado em 1996.

A trilha sonora é de Wagner Tiso, com música incidental Il Guarany, de Carlos Gomes.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=H_t79RdEt8Y

9. DOC. República Guarani, direção de Sylvio Back (1981)

República Guarani é um documentário brasileiro de 1981, dirigido por Sylvio Back. Conta através de depoimentos de estudiosos e pesquisadores históricos do Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai e extensa iconografia, a história dos índios Guaranis que sofreram a catequese dos jesuítas e foram organizados em missões localizadas naqueles países, de 1609 a 1768. São exibidos trechos do filme “Xetás na Serra dos Dourados” de Vladimir Kosák (1956), do acervo do Departamento de Psicologia e Antropologia da Universidade Federal do Paraná.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=2lW528AXLKI

10. Brava Gente Brasileira, direção de Lúcia Murat

“Brava Gente Brasileira” é um dos versos que o jornalista Evaristo da Veiga escreveu para o refrão do Hino da Independência, que ganhou música do imperador Dom Pedro I e que foi, até 1890, o hino nacional brasileiro.

O filme retrata a relação conflituosa entre portugueses e índios no século XVIII.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=X8hQRN5erwE

11. Como era gostoso o meu francês, direção de Nelson Pereira Dos Santos

Baseado no diário do viajante alemão Hans Staden, no filme o personagem passa a ser um francês que é feito prisioneiro pelos índios tupinambás – adeptos da antropofagia.

No Brasil, em 1594, um aventureiro francês com conhecimentos de artilharia é feito prisioneiro dos Tupinambás. Segundo a cultura índigena, era preciso devorar o inimigo para adquirir todos os seus poderes: saber utilizar a pólvora e os canhões.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=pSwWn--HkEw

12. O caçador de esmeraldas, direção de Oswaldo de Oliveira (1979)

Quando Portugal, no século 17, resolveu estender as fronteiras do Brasil Colônia para sanar a crise da metrópole, o bandeirante Fernão Dias Paes Leme assumiu a tarefa de buscar riquezas para a coroa portuguesa. Com sua bandeira, percorreu os sertões, enfrentou / massacrou indígenas, deserções e traições.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=ebiX1k7dz3A

13. Quilombo, direção de Carlos (Cacá) Diegues (1984)

Ganga Zumba, um príncipe africano e ex-escravo fugido, se torna o líder do Quilombo de Palmares. Mais tarde, seu herdeiro e afilhado, Zumbi, contesta suas ideias conciliatórias, enfrentando o maior exército jamais visto na história brasileira.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=Ilh0cPBpduU

14. Independência ou Morte, direção de Carlos Coimbra (1972)

Tendo como ponto de partida o dia da abdicação de D. Pedro I, é traçado um perfil do monarca desde quando ainda menino veio da Europa, enquanto sua família fugia das tropas napoleônicas, até sua ascensão à Príncipe Regente, quando D. João VI retorna para Portugal. Em pouco tempo a situação política torna-se insustentável e o regente proclama a independência, mas seu envolvimento extraconjugal com a futura Marquesa de Santos provoca oposição em diversos setores, gerando um inevitável desgaste político.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=sGr6lhUizjc

15. Os Inconfidentes, direção de Joaquim Pedro de Andrade (1972)

O primeiro grande papel de José Wilker nos cinemas foi como um dos grandes heróis brasileiros. No filme de Joaquim Pedro de Andrade, o ator vive Tiradentes, em uma resposta ao longa Independência ou Morte, do mesmo ano, que exaltava o nacionalismo em plena ditadura militar. O cineasta, no entanto, precisou acrescentar uma propaganda a favor do governo para ser liberado pela censura, já que era uma grande crítica política.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=wDgP-79urOk

16. Cobra Verde, direção de Werner Herzog (1987)

O filme conta a história do terrível bandido brasileiro Francisco Manoel da Silva, conhecido como Cobra Verde. Desconhecendo seu passado, um latifundiário da Bahia o chama para trabalhar em suas terras. Ao engravidar as filhas do patrão, o homem acaba recebendo como retaliação uma missão tida como suicida: assumir um antigo entreposto de escravos na África.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=FDCVoz-LW1s

17. Xica da Silva, de Carlos (Cacá) Diegues (1976)

Mais um filme brasileiro que lutou contra a Ditadura Militar contando a história do país foi Xica da Silva. Com a história da mulata, filha de escrava, que se tornou a mulher mais poderosa da região em que vivia, em Minas Gerais. Passado no século XVIII, o filme mostra a escravidão no interior mineiro a partir de uma história real narrada pelo escritor João Felício dos Santos, também autor de livro sobre Carlota Joaquina.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=xoQY2j3RW8U

18. Mauá – O Imperador e o Rei, direção de Sérgio Rezende(1999),

Autor de diversos filmes históricos, Sérgio Rezende dedicou um somente para o gaúcho Irineu Evangelista de Souza, considerado o primeiro grande empresário brasileiro. Com Paulo Betti no papel principal, o filme mostra a transição do Brasil rural para um país urbano e industrial, e como homens como Irineu, o Barão de Mauá, encontrava diversos inimigos por defender uma política moderna. Fato não muito diferente do que vemos no Brasil atual, em que a bancada ruralista na câmara ainda tem grande força.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=tsNFt6okIxs

19. Cafundó, direção de Clóvis Bueno e Paulo Betti (2005).

João de Camargo (Lázaro Ramos) viveu nas senzalas em pleno século XIX. Após deixar de ser escravo ele fica deslumbrado com o mundo em transformação ao seu redor e desesperado para viver nele. O choque é tanto que faz com que João tenha alucinações, acreditando ser capaz de ver Deus. Misturando suas raízes negras com a glória da civilização judaico-cristã, João passa a acreditar que seja capaz de curar e realmente acaba curando. Ele torna-se então uma das lendas brasileiras, se popularizando como o Preto Velho.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=nGin4q0xh2w

20. DOC. CURTA. Nasce a República, direção de Roberto Moreira (1989)

Documentário. Os últimos anos da monarquia no Brasil, a abolição da escravatura e a proclamação da República. Nesse cenário de transformações, a arte passa por períodos de transição, com o declínio do academismo e o surgimento de novas formas de expressão na pintura, na literatura e no teatro.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=0eKTuY75QG0

21. Sonhos Tropicais, direção de André Sturm (2001).

Em 1889 chega ao Rio de Janeiro no mesmo navio o sanitarista Oswaldo Cruz (Bruno Giordano), que retorna ao país após anos de estudo na Europa, e a jovem Esther (Carolina Kasting), polonesa que veio ao Brasil na promessa de se casar e constituir família. Cruz logo consegue emprego como médico de uma fábrica de tecidos, enquanto que Esther não tem a mesma sorte, logo descobrindo que a proposta de casamento era apenas uma farsa, preparada no intuito de trazer ao país jovens polonesas, as “polacas”, para trabalharem como prostitutas nos bordéis da cidade. Inicialmente Esther resiste ao destino a ela traçado mas, sem opção, acaba cedendo e recebe a ajuda de Vânia (Lu Grimaldi), polaca que nem ela que foi vítima do mesmo golpe anos atrás. Enquanto isso Cruz começa sua ascensão na medicina local, assumindo o comando do Instituto Soropédico de Manguinhos, onde pesquisa a cura de doenças como a peste e a febre amarela. As medidas de Cruz se mostram eficazes. Até que, na tentativa de extinguir a varíola, propõe que maiores de 6 meses sejam obrigados a se vacinarem e desencadeia a Revolta da Vacina.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=fieH3FqzrZ0

22. Guerra de Canudos, direção de Sérgio Rezende (1997).

Em 1893, Antônio Conselheiro e seus seguidores começam a tornar um simples movimento em algo grande demais para a República, que acabara de ser proclamada e decidira por enviar vários destacamentos militares para destruí-los. Os seguidores de Antônio Conselheiro apenas defendiam seus lares, mas a nova ordem não podia aceitar que humildes moradores do sertão da Bahia desafiassem a República. Assim, em 1897, esforços são reunidos para destruir os sertanejos. Estes fatos são vistos pela ótica de uma família com opiniões conflitantes sobre Conselheiro.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=P4OYhj7Io0E

23. DOC. Paixão e Guerra no Sertão de Canudos, direção de Antônio Olavo (1993).

Documentário produzido ao longo de 3 anos conta a epopeia sertaneja de Canudos. No percurso de 180 cidades e povoados de Ceará, Pernambuco, Sergipe e Bahia, o vídeo reúne raros depoimentos de parentes de Antônio Conselheiro, contemporâneos da guerra, filhos de líderes guerrilheiros, historiadores, religiosos e militares.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=D4JutHnMj7w


24. Policarpo Quaresma, o Herói do Brasil, direção de Paulo Thiago (1998)

Policarpo Quaresma é um sonhador e um nacionalista que atua no Congresso e quer que o idioma tupi-guarani seja o oficial no Brasil, mas ele foi visto pela sociedade como louco e acabou indo parar no hospício.

Baseado na obra Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto, adaptado por Alcione Araújo.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=mSSTpFHl3J0

25. Besouro, direção de João Daniel Tikhomiroff (2009).

Bahia, década de 20. No interior os negros continuavam sendo tratados como escravos, apesar da abolição da escravatura ter ocorrido décadas antes. Entre eles está Manoel (Aílton Carmo), que quando criança foi apresentado à capoeira pelo Mestre Alípio (Macalé). O tutor tentou ensiná-lo não apenas os golpes da capoeira, mas também as virtudes da concentração e da justiça. A escolha pelo nome Besouro foi devido à identificação que Manuel teve com o inseto, que segundo suas características não deveria voar. Ao crescer Besouro recebe a função de defender seu povo, combatendo a opressão e o preconceito existentes.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=7JjFbIRVtB8

26. A Guerra dos Pelados (Guerra do Contestado), direção de Sylvio Back (1970).

O filme é baseado no episódio histórico da Guerra do Contestado (1912-1916), quando em 1913, em Santa Catarina, houve um conflito envolvendo cessão de terras a uma estrada de ferro estrangeira. Os expropriados foram chamados de “pelados”, pois rasparam a cabeça e se entricheiraram num reduto messiânico, lembrando Canudos.

Encerra-se depois que os pelados sofreram duro golpe em Taquaruçu, onde 700 soldados da República os fazem recuar e fugir para Caraguatá. As cenas finais são dos sobreviventes, a cavalo e a pé, rumando para Caraguatá, já sob liderança de resistência de Adeodato e sob liderança espiritual de Ana, a jovem com 15 anos de idade.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=KnSvUJP0tr4

27. O País dos Tenentes, direção de João Batista de Andrade(1987).

Em 1984, em meio a Campanha pelas Diretas Já, um general da reserva é homenageado por uma multinacional alemã da qual é dirigente. Uma repórter o aborda e pergunta sobre fatos históricos do país como a Revolta dos 18 do Forte de Copacabana e as Revoluções tenentistas da década de 1920 das quais o general fizera parte. A partir daí o general entra em crise pessoal recolhendo-se em sua casa de campo e começa a lembrar sua trajetória, que coincide com 60 anos de vida política brasileira.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=vMBbOCGQcJI

28. O quatrilho, direção de Fábio Barreto (1995).

Em 1910, numa comunidade rural no Rio Grande do Sul habitada por imigrantes italianos, dois casais muito amigos se unem para poder sobreviver e decidem morar na mesma casa. Mas o tempo faz com que a esposa (Patricia Pillar) de um (Alexandre Paternost) se interesse pelo marido (Bruno Campos) da outra (Glória Pires), sendo correspondida. Após algum tempo, os dois amantes decidem fugir e recomeçar outra vida, deixando para trás seus parceiros, que viverão uma experiência dramática e constrangedora, mas nem por isto desprovida de romance.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=tyeVKRRUnxE

29. Lavoura Arcaica, direção de  Luiz Fernando Carvalho (2001).

André é um filho desgarrado, que saiu de casa devido à severa lei paterna e o sufocamento da ternura materna. Pedro, seu irmão mais velho, recebe de sua mãe a missão de trazê-lo de volta ao lar. Cedendo aos apelos da mãe e de Pedro, André resolve voltar para a casa dos seus pais, mas irá quebrar definitivamente os alicerces da família ao se apaixonar por sua bela irmã Ana.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=YkihUlo0A74

30. Eternamente Pagú (1988), de Norma Benguell

Uma das maiores personagens femininas da história do Brasil, Patrícia Galvão foi eternizada nos cinemas pela interpretação de Carla Camurati e direção de Norma Benguell. O filme traz o modernismo, um dos maiores movimentos artísticos brasileiros, ocorrido na primeira metade do século XX. Apesar de Patrícia ter nascido apenas em 1910, teve grande importância política e artística na época, sendo a primeira mulher presa no Brasil por motivações políticas. O longa traz Antônio Fagundes no papel do escritor Oswald de Andrade, marido de Pagu.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=MFylqrCYB_U

31. Memórias do Cárcere (1984), de Nelson Pereira dos Santos

O período do Estado Novo, regime de Getúlio Vargas, é contado no filme de Nelson Pereira dos Santos pela figura de um dos maiores escritores brasileiros. Graciliano Ramos , interpretado por Carlos Vereza, nunca concluiu o livro Memórias de um Cárcere, que mesmo assim se tornou um importante relato contra a opressão da época. A história mostra o período em que o escritor ficou preso por sua relação com o Partido Comunista Brasileiro.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=p0Gy67_6kJc

32. Lampião, o Rei do cangaço, direção de Carlos Coimbra (1964)

O filme conta a história de Virgulino Ferreira da Silva, o famoso Lampião e a jornada de como o menino pobre nascido no sertão pernambucano se tornou um dos homens mais procurados e conhecidos do Brasil.

O roteiro é baseado nos livros Lampião – O Rei do Cangaço de Eduardo Barbosa e Capitão Virgulino “Lampião” de Nertan Macedo.

O filme apresenta a trajetória de Virgulino Ferreira da Silva que ficou conhecido na história como Lampião. Um dos mais temidos e respeitados cangaceiros de todos os tempos.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=_exh8NqFlTs

33. DOC. 32, a Guerra Civil, dirigido por Eduardo Escorel.

Documentário sobre a Revolução Constitucionalista de 1932.

Contém gravações radiofónicas de César Ladeira, entrevistas com o sociólogo Paulo Sérgio Pinheiro e os historiadores Bóris Fauto, Aspásia Camargo, Hernani Donato, Vavy Pacheco Borges e José Murilo de Carvalho.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=U2aFvcDVc1k

34. DOC. Getúlio, Direção: Ana Carolina Teixeira Soares

Documentário sobre uma das figuras mais controversas da história do Brasil: Getúlio Vargas. A partir de materiais de arquivo do Departamento de Imprensa e Propaganda e da Agência Nacional, um retrato de sua história política – contando inclusive com a recuperação de discursos do presidente – mas também de cenas do seu dia-a-dia. Paralelamente, é feita uma reconstituição dos anos 30 a 50 com filmes e músicas da época.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=YOrCGHwToFY

35. Capitães da Areia, direção de Cecília Amado (2011).

Capitães da Areia é um drama de autoria do escritor brasileiro Jorge Amado, escrito em 1937. O filme aborda a vida de meninos abandonados que viviam em um trapiche na década de 1930. Pedro Bala é o líder destes meninos que praticavam assaltos na cidade de Salvador.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=u7v3jxLU074

36. Chatô, o rei do Brasil, direção de Guilherme Fontes (2015).

O magnata das comunicações Assis Chateaubriand (Marco Ricca) é a estrela principal de um programa de TV chamado “O Julgamento do Século”, realizado bem no dia de sua morte. É nele que Chatô relembra fatos marcantes de sua vida, como os casamentos com Maria Eudóxia (Letícia Sabatella) e Lola (Leandra Leal), a paixão não-correspondida por Vivi Sampaio (Andréa Beltrão), como manipulava as notícias nos veículos de comunicação que comandava e a estreita e conturbada ligação com Getúlio Vargas (Paulo Betti), que teve início ainda antes dele se tornar presidente.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=Bard0qpyn1M

37. O Velho – A História de Luiz Carlos Prestes, direção de Toni Venturi (1997)

O documentário apresenta ao público a trajetória pessoal e política de Luiz Carlos Prestes. Conhecimento pela sua participação ativa no Partido Comunista Brasileiro. “Com base em depoimentos de testemunhas da história, imagens de época e uma narração informal, entremeados por pequenos respiros poéticos, o documentário conta a história do militante de esquerda Luiz Carlos Prestes (1889 – 1990). De líder tenentista a secretário-geral do Partido Comunista Brasileiro (PCB), o ‘Cavaleiro da Esperança’ foi um dos personagens mais emblemáticos da história do Brasil no século 20.”


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=1u02uqMK6Ek

38. DOC. Os Anos JK – Uma trajetória política, de Silvio TendlerO filme, narrado por Othon bastos, aborda a História do Brasil: a eleição de JK, o nascimento de Brasília, o sucessor Jânio Quadros que renuncia, a crise política, o golpe militar e a cassação dos direitos políticos de Juscelino.

O foco é a trajetória política de Juscelino Kubitschek, o “presidente bossa nova”, popular entre os artistas, que propunha aceleração no desenvolvimento do País rumo à modernidade e a ocupação de um lugar entre as potencias mundiais.

O filme é referência para estudantes pesquisadores. Foi visto por mais de 800 mil pessoas em todo país e ganhou vários prêmios.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=Qe6RGrCE2fc

39. DOC. Jango, de Silvio Tendler

Jango: Como, quando e porque se depõe um presidente da República. Em 1984, a campanha das “Diretas Já” mobilizou o Brasil: O povo, personalidades artísticas e políticas em todo país exigiam democracia. Nessa época, 2 obras expressam os anseios do povo brasileiro: O filme “Jango”, de Sílvio Tendler, e uma das músicas de sua trilha sonora, “Coração de Estudante”, de Wagner Tiso e Milton Nascimento, que se tornou o hino das “Diretas Já”. “Jango” narrado por José Wilker, foca a trajetória de João Goulart que, deposto pelo Golpe de 64, se tornou o único presidente brasileiro morto em exílio. O filme visto por 1 milhão de pessoas ganhou vários prêmios e está entre os documentários mais importantes do Brasil.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=SaU6pIBv9f4

40. DOC. O dia que durou 21 anos, direção de Camilo Galli Tavares (2012).

O documentário tem como ponto de partida a crise provocada pela renúncia do presidente Jânio Quadros, em agosto de 1961, que se estende até o ano de 1969, com o sequestro do então embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Charles Burke Elbrick, por grupos armados. O principal destaque deste documentário é o grande acervo documental apresentado além do enfoque à participação ativa dos EUA durante todo o complexo processo político que levou à deposição de João Goulart.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=4ajnWz4d1P4

41. Cabra Marcado Para Morrer, direção Eduardo Coutinho (1984).

Em 1962, o líder da liga camponesa de Sapé (PB), João Pedro Teixeira, é assassinado por ordem de latifundiários. Um filme sobre sua vida começa a ser rodado em 1964, com a reconstituição ficcional da ação política que levou ao assassinato e direção de Eduardo Coutinho. As filmagens são interrompidas pelo Golpe Militar de 1964. Dezessete anos depois, em 1981, Eduardo Coutinho retoma o projeto e procura Elizabeth Teixeira e outros participantes do filme interrompido.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=HGSRLIs8BGw

42. São Paulo, Sociedade Anônima, direção de Luís Sérgio Person.

Filmado em 1965, São Paulo, Sociedade Anônima é considerado um dos grandes clássicos do cinema brasileiro. O filme narra a dificuldade de Carlos em conciliar as pressões profissionais exercidas por seu chefe, Arturo, as ambições de sua mulher Luciana e a inconstância de sua amante Ana. O retrato do estilo de vida paulistano continua atual mesmo depois de quase 50 anos.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=ns-LPKhz_AE

43. Rio 40 Graus, direção de Nelson Pereira dos Santos (1955).

É um filme brasileiro de 1955, com roteiro e direção de Nelson Pereira dos Santos. É considerada a obra inspiradora do cinema novo, movimento estético e cultural que pretendia mostrar a realidade brasileira.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=mutKYwMc-Jg

44. Os fuzis, direção de Ruy Guerra (1964).

Um grupo de soldados é enviado ao nordeste do Brasil para impedir que cidadãos pobres saqueiem armazéns por causa da fome. Juntamente com Vidas Secas, de Nélson Pereira dos Santos, e Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Gláuber Rocha, este filme faz parte da chamada “trilogia de ouro” do Cinema Novo.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=TcwztzyD998

45. Muito além do cidadão Kane, direção de Simon Hartog (1993).

Muito Além do Cidadão Kane é um documentário produzido pela BBC de Londres – proibido no Brasil desde a estréia, em 1993, por decisão judicial – que trata das relações sombrias entre a Rede Globo de Televisão, na pessoa de Roberto Marinho, com o cenário político brasileiro.

O título teve origem no personagem Charles Foster Kane, criado em 1941 por Orson Welles para o filme Citizen Kane, que, por sua vez, tratava-se de um drama de ficção baseado na trajetória de William Randolph Hearst, magnata da comunicação nos Estados Unidos. Segundo o documentário, a Globo empregaria a mesma manipulação grosseira de notícias para influenciar a opinião pública, como fazia Kane no filme. É mostrado também que a emissora detinha um grande Market Share da propaganda no início dos anos 90, 75% da verba total no país. O documentário é dividido em 4 partes:

– na primeira parte é mostrada a relação entre a Rede Globo de Televisão e o período militar, em que se veem fatos sociais que ocorreram no país em decorrência do governo;

– na segunda parte apresenta-se o acordo firmado entre a Globo e o grupo Time-Life;[1]

– na terceira parte evidencia-se o poder do proprietário da emissora, Roberto Marinho. É mostrado também o suposto apoio da mesma à saída dos militares do poder, na figura do candidato à presidência da República Tancredo Neves;[5]

– na quarta parte, tida como a mais importante e reveladora do filme, mostram-se às claras “os envolvimentos ilegais e mecanismos manipulativos utilizados pelas Organizações Globo em suas obscuras parcerias para com o poder em Brasília”. Contudo, o documentário não apresenta fontes primárias, apenas entrevistas.

O documentário também acompanha uma controversa negociação envolvendo ações da NEC Corporation e contratos governamentais à época em que José Sarney era presidente da República.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=049U7TjOjSA

46. O Homem da Capa preta, direção de Sérgio Rezende (1986).

O filme baseia-se na vida de Tenório Cavalcanti, um político reacionário e muito polêmico da Baixada Fluminese, no Rio de Janeiro dos anos 50, que nasceu em Alagoas e teve a violência como companheira logo no início de sua vida, ao presenciar o assassinato de seu pai. Empunhando uma metralhadora e usando uma capa preta e uma cartola, ele se tornou uma espécie de justiceiro, desafiando os corruptos e poderosos que dominavam Duque de Caxias. Sua trajetória mistura os papéis de político e bandido, coisa recorrente ainda hoje. Era visto como um defensor do povo entre as classes mais miseráveis por suas atitudes populistas, conquistando fama e fortuna, ao mesmo tempo em que era tido como um assassino frio pela classe média e pelos políticos dominantes. A produção conta essa história com José Wilker no papel principal.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=gOy2zOcWwvY

47. O Homem de que virou suco, direção de João Batista de Andrade (1981).

Deraldo, poeta popular recém-chegado do Nordeste a São Paulo, sobrevivendo de suas poesias e folhetos é confundido com o operário de uma multinacional que mata o patrão na festa que recebe o título de operário símbolo. O filme aborda a resistência do poeta diante de uma sociedade opressora, esmagando o homem dia-a-dia, eliminando suas raízes.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=FF70tq8QSS4

48. ABC da GREVE, direção de Leon Hirszman (1979).

Filmado no final dos anos 70 quando eclodiu um intenso movimento grevista nas cidades industriais em torno de São Paulo, serviu como laboratório de preparação para Eles Não Usam Balck-Tie, que Leon rodaria em seguida. Sua edição final só foi concluída em 1990 pelo fotógrafo e montador do filme, Adriano Cooper, por iniciativa da Cinemateca Brasileira.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=2hhFk0cml6Y

49. Braços Cruzados, Máquinas Paradas, direção de Sérgio Segall e Roberto Gervitz (1979).

Documentário que acompanha os principais acontecimentos do movimento operário em São Paulo e na Grande São Paulo, em 1978: as greves de maio, as eleições para a diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos (um dos maiores da América Latina), a manifestação contra a inflação na Praça da Sé e a greve geral dos operários em novembro.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=X5xF8X2k9hE

50. Pixote, ale do mais fraco, Dir. Hector Babenco (1980).

Pixote (Fernando Ramos da Silva) foi abandonado por seus pais e rouba para viver nas ruas. Ele já esteve internado em reformatórios e isto só ajudou na sua “educação”, pois conviveu com todo o tipo de criminoso e jovens delinqüentes que seguem o mesmo caminho. Ele sobrevive se tornando um pequeno traficante de drogas, cafetão e assassino, mesmo tendo apenas onze anos.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=pNUc7_JWk5E

51. Madame Satã, direção Karim Aïnouz  (2002).

Lapa anos 30: o cotidiano e a intimidade de João Francisco dos Santos – malandro, artista, presidiário, pai adotivo, negro, pobre, homossexual – e seu círculo de amigos, antes de se transformar no mito Madame Satã, lendário personagem da boêmia carioca.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=aCFY344akWY

52. Orí, direção de Raquel Gerber (1989)

Este documentário é fruto de uma parceria entre a historiadora e militante Beatriz Nascimento e a cineasta e socióloga Raquel Gerber. Numa espécie de colagem audiovisual investigativa e poética, o filme constrói uma relação entre ancestralidade africana e comunidades negras no Brasil nos anos 70 e 80, revelando um pouco a trajetória de Beatriz, narradora do filme e autora dos textos. Beatriz consolidou ao longo de 20 anos importantes estudos acerca de temáticas ligadas ao racismo da historiografia oficial e à importância dos quilombos. Usou o meio acadêmico para combater a ideia de que pessoas negras só participaram da história como mão de obra escrava e enfatizou o protagonismo afro-descendente. Suas ideias permanecem atuais e essenciais e o filme é uma grande referência de abordagem da diáspora africana e da experiência negra no Brasil.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=WIscG86Bq_Y

53. As Hiper Mulheres, direção de Carlos Fausto, Takumã Kuikuro e Leonardo Sette (2011)

Um velho índio da tribo Kuikuro, receoso da iminente morte de sua mulher, pede para que a comunidade realize o Jamurikumalu, o maior ritual de mulheres do Alto Xingu, para que ela tenha a chance de cantar uma última vez. Acompanhamos a preparação, os ensaios e os esforços para relembrar todos os cantos, entrevendo o cotidiano de uma aldeia onde as mulheres têm uma força que inspira.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=fnxg74wyays

54. O Auto da compadecida – Dir. Guel Arraes e baseado no livro com mesmo título do Ariano Suassuna

Dirigido por Guel Arraes e com roteiro de Adriana Falcão, João Falcão e do próprio diretor, o filme é baseado na peça teatral Auto da Compadecida de 1955 de Ariano Suassuna, com elementos de O Santo e a Porca e Torturas de um Coração, ambas do mesmo autor, e influências do clássico de Giovanni Boccaccio Decameron.[2] Durante o Grande Prêmio Cinema Brasil, evento criado pelo Ministério da Cultura, o filme recebeu as premiações de melhor diretor, melhor roteiro, melhor lançamento e melhor ator.[3] É o filme brasileiro de maior bilheteria de 2000, sendo visto por mais de dois milhões de espectadores.

Importante: o filme apresenta uma fotografia de um “certo Brasil”: a pobreza dos trabalhadores; a vilania da classe dominante na figura do burgues (pequeno), o casal padeiro, e do latifundiário; o clero ligado ao poder econômico e os problemas sociais causadores do banditismo rural e urbano.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=12o3LFIk0q4

55. Que bom te ver viva, direção Lucia Murat (1989).

Duas décadas depois, oito ex-presas políticas falam sobre a luta e a tortura vividas durante o regime militar brasileiro e a experiência de ter sobrevivido. Entre os depoimentos, delírios e confissões de uma personagem anônima, que reflete sobre o peso de ter sobrevivo lúcida às torturas. Melhor filme no XXII Festival de Brasília, em 1989.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=Q1RmQoaPYxw

56. Branco Sai, Preto Fica, direção de Adirley Queirós (2015).

Tiros em um baile de black music na periferia de Brasília ferem dois homens, que ficam marcados para sempre. Um terceiro vem do futuro para investigar o acontecido e provar que a culpa é da sociedade repressiva.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=onLJqMDT9ZA

57. Terra para Rose, direção de Tetê Moraes (

Rose sonhou com a conquista da terra, com um futuro melhor para o seu filho. Como todas as outras mulheres das mil famílias que invadiram a Fazenda Anoni, no Rio Grande do Sul, em 1985, Rose aprendeu a compartilhar seu destino com a mesma força com que sonhava. O desejo comum dos sem-terra era para ela mais do que apenas ser solidário na mesma luta. E Rose faltou de Reforma Agrária enquanto amamentava o filho, fazia comida ou ajudava no acampamento. Emoção de verdade é a tônica deste documentário que traz imagens fortes. Imagens das 8 mil pessoas enfrentaram o frio, a fome e as tropas militares enquanto lutavam por um pedaço de terra para plantar.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=422xCGlJZR4

58. Os 12 trabalhos, Dir. Ricardo Elias.

Heracles é um jovem negro, que vive na periferia de São Paulo e que gosta de desenhar. Há 2 meses ele deixou a Febem e agora procura uma ocupação. Por indicação de seu primo Jonas, Heracles passa a trabalhar como motoboy. Em seu período de experiência ele precisa realizar 12 tarefas pela cidade de São Paulo. Para realizá-las Heracles precisa lidar com o preconceito, a burocracia e sua própria falta de malícia no novo serviço.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=UpcJc-TOPWM

59. Acorda, Raimundo…acorda!

O curta apresenta a realidade cotidiana de forma invertida entre os sexos. Para os homens, essa situação é apresentada como um verdadeiro pesadelo. Ela trabalha fora, enquanto ele toma conta das crianças e da casa. Numa situação inversa, reproduz a relação machista comum entre as famílias de trabalhadores brasileiros.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=HvQaqcYQyxU

60. Abril despedaçado, direção de Walter Salles (2001)

Em abril de 1910, na geografia desértica do sertão brasileiro vive Tonho (Rodrigo Santoro) e sua família. Tonho vive atualmente uma grande dúvida, pois ao mesmo tempo que é impelido por seu pai (José Dumont) para vingar a morte de seu irmão mais velho, assassinado por uma família rival, sabe que caso se vingue será perseguido e terá pouco tempo de vida. Angustiado pela perspectiva da morte, Tonho passa então a questionar a lógica da violência e da tradição.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=-1VizXLG2AQ


61. Central do Brasil, direção de Walter Salles (1998).

Dora (Fernanda Montenegro) trabalha escrevendo cartas para analfabetos na estação Central do Brasil, no centro da cidade do Rio de Janeiro. Ainda que a escrivã não envie todas as cartas que escreve – as cartas que considera inúteis ou fantasiosas demais -, ela decide ajudar um menino (Vinícius de Oliveira), após sua mãe ser atropelada, a tentar encontrar o pai que nunca conheceu, no interior do Nordeste.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=UCmC7249nQI

62. Narradores de Javé, direção de Eliane Caffé (2003)

A pequena cidade Javé será submersa pelas águas de uma represa. Seus moradores não serão indenizados e não foram sequer notificados porque não possuem registros nem documentos das terras. Inconformados, descobrem que o local poderia ser preservado se tivesse um patrimônio histórico de valor comprovado em “documento científico”. Decidem então escrever a história da cidade, mas poucos sabem ler e só um morador, o carteiro, sabe escrever. Depois disso, o que se vê é uma tremenda confusão, pois todos procuram Antônio Biá, o escrivão da obra de cunho histórico, para acrescentar algumas linhas e ter o seu nome citado.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=Trm-CyihYs8

63. O Invasor, direção de Beto Brant (2002).

O INVASOR narra a história de três amigos – companheiros desde os tempos de faculdade de engenharia – que são sócios em uma construtora há mais de 15 anos. Tudo corre bem até o dia em que um desentendimento na condução dos negócios os coloca em conflito. De um lado, Estevão, o sócio majoritário, que ameaça desfazer a sociedade, porque não aceita negociar com o governo; de outro, Ivan e Gilberto que, acuados, resolvem eliminar o sócio, acreditando que poderão conduzir a construtora ao seu estilo após a morte de Estevão. Para isso, contratam Anísio, um matador de aluguel, que executa o serviço.

É uma adaptação do livro homônimo, escrito por Marçal Aquino.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=yy5I164Ck6c

64. CURTA. Ilha das Flores, direção de Jorge Furtado (1989).

Ilha das Flores é um filme de curta-metragem brasileiro, do gênero documentário. O que coloca os seres humanos da Ilha das Flores numa posição posterior aos porcos na prioridade de escolha de materiais orgânicos é o fato de não terem dinheiro nem dono. Os humanos se diferenciam dos outros animais pelo telencéfalo altamente desenvolvido, pelo polegar opositor e por serem livres. Livre é o estado daquele que tem liberdade. Liberdade é uma palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=oFtChMBAx3U

65. Notícias de uma guerra particular, direção de Katia Lund e João Moreira Salles (1999)

O documentário mostra o cotidiano de traficantes e moradores da favela Santa Marta, no Rio de Janeiro, entre 1997 e 1998. Com entrevistas de policiais, moradores e traficantes, o filme conta a situação das pessoas com baixa renda e sua complexa relação com traficantes e policiais e a ausência do Estado.


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=Pu6qI78RAGw

EXTRA: filme de Eduardo Coutinho que complementa esse da Kátia e João, mas gravado 12 anos antes também no Santa Marta.

Santa Marta: Duas Semanas no Morro (1987)


Filme: https://www.youtube.com/watch?v=-fMPgm40ZpM



​IMPORTANTE: Filmes não encontrados on-line.

  1. Que Horas Ela Volta? (Dir. Anna Muylaert, Brasil, 2015.

  2. Tropa de Elite, direção José Padilha (2010).

  3. Xingu

  4. Aos Teus Olhos

  5. O som ao redor

  6. Ajuricaba, o Rebelde da Amazônia (1977, Oswaldo Caldeira)

  7. Nem gravata, nem honra: Só o trailer: https://www.youtube.com/watch?v=XC3RZsv9RUQ

​Fonte: revistaforum.com.br

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

WESTERN